​ME AME, SI US PLAU.


Eu quero te despir da mesma forma que descasquei a delicada maçã do pecado original.




Pele branca, olhos fundos, cabelos negros, cheiro doce e sorriso meigo. Beleza importada da Grécia, seu traseiro é um monumento levantado em homenagem aos deuses. Sua pele é macia como a batina santa que o papa usa para fazer o desjejum.


Minha vontade é te amar e te possuir com todas as minhas forças, chegar perto de quebrar a sua delicadeza e sacrificar as tripas em nome do nosso sentimento. Me entregar aos seus encantos é como mergulhar em uma piscina de ácido e ter cada centímetro  do meu corpo respondendo a estímulos masoquistas de prazer funesto.


Me deixe afogar nos seus beijos e poder ser testemunha da sua ternura divina. Seu nascimento deveria ser feriado nacional, mulher. Você é a reencarnação de Afrodite e a consolidação de tudo aquilo que desejo no âmago dos meus pensamentos mais inconscientes. Seu caminhar sintetiza a metafísica do inexplicável. Sua beleza é minha nova religião, me entrego aos seus encantos.


Me rasgue, me estripe, me mutile, me dilacere com seu simples relar de Deusa... não me importo de morrer por suas mãos, pois deste momento em diante sou o seu mais devoto servo.


Quando vejo o rosto de uma mulher no instante que atingimos orgasmo juntos, sei que nos conhecemos. O resto é ficção.


ᴛʜᴇ ᴇɴᴅ

ROBERTO CRUZ